Câncer de Pele Como saber se a sua pinta é suspeita?

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de pele – é o mais prevalente  de todos os tumores malignos no Brasil. Existem três tipos principais de tumores da pele: o Carcinoma basocelular, o Carcinoma Espinocelular e o mais grave de todos, Melanoma.

Os tumores da pele

• Carcinoma basocelular (CBC) é originário das células basais e é considerado o tipo de tumor de pele mais prevalente de todos. Possui baixa letalidade e grande chance de cura se for diagnosticado precocemente.
• Carcinoma espinocelular (CEC) é originário das células escamosas da epiderme e é considerado o segundo tipo de câncer de pele mais prevalente.
• Melanoma é o tipo mais raro e mais grave de câncer de pele, já que possui facilidade de se espalhar para outros órgãos (metástase). Tem origem nos melanócitos, células que produzem o pigmento que dá cor à pele. As chances de cura são altas quando a doença é descoberta precocemente.

A sua pinta é suspeita?

Além de fazer o controle dermatológico regularmente, o autoexame da pele também é essencial para o diagnóstico precoce do câncer de pele. Pintas ou lesões consideradas suspeitas são aquelas que coçam, mancham ou sangram; que mudam de cor ou de tamanho ao longo dos anos; ou feridas que nunca cicatrizam. A regra ABCDE também é uma ótima forma de auto análise das pintas e lesões do corpo. Deve-se observar:

• Assimetria: a mancha é simétrica ou assimétrica?
• Borda: a lesão possui bordas irregulares?
• Cor: a mancha possui mais de um tom? Se perceber cores desiguais em uma mesma pinta, fique atento.
• Diâmetro: manchas que têm diâmetro maior que 6 mm devem ser analisadas.
• Evolução: há qualquer alteração na cor, no tamanho ou no formato da lesão com o tempo?

formulário de
contato